.

É do destino de quem ama ouvir um violino, até na lama. (José Gomes Ferreira)

22 de setembro de 2017

QUANDO SE ACORDA ANTES DA CASA.


A MANHÃ VEIO CINZENTA. Talvez ainda traga uma chuva a anunciar que o Verão já era e o Outono quer entrar apesar de todos sabermos, alguns por experiência e bem amarga que o clima está a mudar, um pouco por todo o lado, e não é para melhor; ontem quando espreitei a noite, antes de me deitar, não encontrei estrelas ou Lua e agora falta Sol...

ACORDEI ANTES DA CASA, as sete horas tinham começado o seu ciclo. Durante momentos, fiquei de olhos projectados no tecto, sentindo a respiração da companheira que conheci há mais de meio século - apenas o tempo que leva um fósforo a consumir-se na sua própria chama - e a recordar que no 22 de Setembro de 1970, uma terça feira - também a tinha ao meu lado, por esta hora, em Santiago do Cacém, num quarto de hotel no fim da terceira noite de uma lua de mel vivida ao ritmo alucinante que nos obrigava o facto de eu ter de estar em Mafra, logo na 6ª feira, para a 'segunda parte' da instrução militar.

QUANDO SE ACORDA ANTES DA CASA, como eu hoje, há lembranças que saem do silêncio dos móveis, dos quadros pendurados nas paredes, dos livros que se acomodam nas estantes, das fotos dos momentos que a nossa máquina do tempo ainda é capaz de recordar com a saudade que nos deixa felizes com aquele aperto no peito.

ACORDEI ANTES DA CASA e andei por aqui, meio perdido à espera que a manhã me apanhe e me empurre para o dia que já vi cinzento e cansado. Às vezes também me sinto assim! Cinzento e cansado. Hoje pode ser? Não! É melhor não....

4 de agosto de 2017

MARLINDA, LINDA MORENA DE OLHOS DE MAR

TARIFA ERA TERRA DE PESCADORES, no sul de Espanha um areal de cabanões de madeira à vista da praia e de uma dúzia de embarcações de pescadores que eram famílias de pescadores os do povoado a umas escassas doze léguas de Los Palos de La Frontera.
MARLINDA, filha de Sertório e de Tereza, linda morena com olhos de mar, serenos mais verdes que as águas onde os homens ganhavam o pão de cada dia. 

Comemorava, nessa noite de animada festa, os quinze anos, 
já maioridade atingida com a primeira menstruação que lhe aparecera há umas semanas, para alegria da mãe que logo anunciou a Sertório a necessidade da festa.

OS VÁRIOS MANJARES trazidos pelas mulheres da aldeia não passavam agora de restos esfrangalhados e dispersos, sem ordem nem gosto, pela enorme mesa de madeira, pasto para os cães e gatos tão fartos uns quanto os outros, dos ratos e dos restos do peixe que apanhavam dos donos.
OS OLHOS DO RAPAZ alto e sorridente, traje de marinheiro e um jeito de andar com um não sei quê de bailarino, viera de Los Palos, incendiaram-se quando se cruzaram com os de Marlinda para nunca mais se despegarem dos dela e os dela dos dele, o resto da noite, perante os comentários indiscretos das velhas e os gestos de desânimo e de ressentimento dos que esperavam da homenageada os olhares que ela só tinha para aquele que viera de fora e ali aparecera vindo da terra vizinha, segundo se apurou, sem mesmo por lá ter nascido ou se lhe conhecer parente; Braulio, assim se chamava o rapaz, dezanove anos, órfão de pai e de mãe, de terra estrangeira Cuba, povoação no interior do reino de Portugal, onde não havia mar que se visse nem olhos como os de Marlinda.
DANÇARAM TANTO E SEMPRE e como acertavam bem tantos nos viras, como nos bailes mandados ou nas rodas como se fossem par de há muito conhecido. os seus corpos tocavam-se, graciosos e ardentes, nos volteios e cresciam os sussurros mas Marlinda e Braulio, alheios a tudo, vertigem de paixão ansiosa e violenta. Tanta paixão para Braulio que viera à festa só para se divertir e para Marlinda que encontrara o seu primeiro amor, não impediu que o jovem abalasse de novo para Los Palos, ainda o Sol se não levantara pois era lá que iria para a sua grande aventura!
E, QUANDO NA MANHÃ DE 4 DE AGOSTO DE 1492 a frota capitaneada por Cristóvão Colombo largou do porto rumo ao mar infinito na esperança do novo mundo Braulio levava no coração a linda morena de olhos de mar e aquele momento de intensa paixão que tiveram na praia com o testemunho da Lua e das estrelas no pano do céu.
MARLINDA ficou na praia até a manhã acordar com o olhar longínquo, onde o risco do horizonte parece estar a dividir o mundo que diziam nunca ninguém alcançara por mais que se entrasse no mar! Mas ela pareceu ver, bem dentro do mar, perto do infinito, umas velas que se moviam numa pressa de ventos fortes. Era numa dessas velas que ia o seu amor de uma noite que nunca mais veria na sua vida, mas deixara a semente. que faria crescer o seu ventre e o escândalo da desonra que a expulsariam de Tarifa por muitos anos.

Só voltaria que a viu nascer quando o seu pai já era morto e alguém lhe deixou na porta um bilhete que dizia que sua mãe estava muito doente e que queria vê-la antes de morrer.
Entrou no casebre que cheirava a fumo e a doença trazendo pela mão um menino de olhos incendiados de mar, cabelos muito pretos endemoínhados e aquele jeito leve de andar que 
tinha um não sei quê de bailarino.

Os OLHOS DE TEREZA ganharam vida e tantas lágrimas, 

tantas depois de tanta seca que se juntaram às de Marlinda que numa voz embargada de comovida alegria, disse apenas
"Perdoa-me minha querida mãe!"
E, num soluço, estendeu a mão para o menino tímido:
"Este é o teu neto. Chama-se Braulio, como o pai dele"
E a velha mãe recebeu os dois nos seus frágeis braços
que num assomo de energia e de amor, voltavam a ter a idade da força!

NOTAS FINAIS:

Passam hoje 525 anos sobre a data que marca a partida de Cristóvão Colombo, de Los Palos (actual Cádis) ao serviço dos reis católicos de Espanha, Fernando e Isabel, comando a armada que iria descobrir o novo mundo.
A história de Marlinda, imaginei-a numa probabilidade, por certo, tão longínqua como o 'risco que divide o mundo' que nunca se alcança...



3 de agosto de 2017

ÀS VEZES TEMOS DE CONTAR CARNEIROS...


MOHAMED JAMAL AL-KHALIL, Califa de Hafar al-Batin, uma fortaleza rodeada por uns milhares de casebres no norte do oceano saudita, de areias escaldantes, mas muito perto das águas amenas do golfo onde', aliás, se deslocava frequentemente com as suas dezoito belas e jovens esposas e os vinte e sete filhos e mais todos os serviçais do palácio; apesar das enormes riquezas que possuía e da vida faustosa que levava, era atreito a insónias e tinha imensa dificuldade em adormecer. 
Um dia, o seu conselheiro mais íntimo pareceu encontrar a solução - contratar um contador de histórias para o ajudar a adormecer. 
Mohamed entusiasmou-se com a ideia e logo mandou mensageiros por todo o lado à procura de algume que soubesse contar boas e compridas histórias.
Após quase três meses de intensas buscas, finalmente, o conselheiro trouxe à sua presença um velho de andrajoso que se dizia ter imensas memórias que decerto tanto agradariam ao califa e muito prazer lhe dariam em poder contribuir para o bem estar de tão ilustre pessoa.  
O velho aparecia no palácio ao cair da noite e logo se dirigia ao aposentos do califa com livros muito bem escritos e cheios de aventuras tão interessantes que lia, madrugada dentro, com o Mohamed sempre muito atento até que amanhecia e ficava mais uma noite sem 'pregar olho'.
Quase a ser despedido por não saber cumprir o acordado e mais do que isso, ameaçado pelo califa de que lhe mandaria cortar a língua pois era inútil uma vez que as suas palavras não lhe traziam o sono, o contador em aflição resolveu inventar que um mercador rico comprara duas mil ovelhas e precisava levá-las para o seu pasto mas tinha de atravessar um rio muito largo e só tinha um pequeno barco que comportava apenas quatro animais de cada vez.
O Califa precisaria, assim, de ouvir o contador de histórias contar, uma a uma, as quinhentas viagens que o mercador tinha de fazer para passar as ovelhas de uma margem para a outra e como as travessias eram contadas com tanto pormenor que a monotonia e o tédio se apoderavam dele de tal maneira que acabava por adormecer profundamente, sem nunca conhecer o fim da narrativa.
Uma noite, em que já estava preparado para ouvir mais uma travessia, movido pela curiosidade, o Califa exigiu do contador que lhe contasse o fim daquela história pois não tinha já paciência para ouvir mais travessias e podia o efeito ser contrário e não adormecer daquela vez.
O velho recusou prontamente e mesmo perante a insistência do Califa manteve a recusa e tanto que, nessa mesma noite, o Califa o mandou prender por desobediência. 
O califa desesperado por não dormir, foi ao calabouço onde estava preso o contador de histórias e mandou que torturassem o desgraçado dizendo que assim ficava pago o contrato pois também o velho com a sua recusa o deixava numa tortura sem fim. 
Então, o velho com voz débil e amargurada disse: 
- Não vale a pena mandares que me torturem, senhor, pois também eu não sei o fim da história já que também eu adormeço à sua cabeceira, todas as noites,muito antes de terminar a última viagem do barco com os últimos quatro carneiros.




16 de maio de 2017

O MEU PAI NUNCA ME OUVIU...

"O meu pai nunca me ouviu..
Disse-me o Vítor num dia em que, sentados à mesa do café, discorríamos sobre a nossa adolescência quando, depois de quase vinte anos sem nos vermos e nos reencontrámos. 
"Não me recordo de, alguma, vez o meu pai e eu termos tido uma conversa a propósito, fosse do que fosse."

Por detrás das lentes graduadas, foi possível aperceber-me de uma sombra de desapontamento e tristeza no seu olhar pisco. Aproveitei para bebericar o café já que não consegui inventar nada de muito prestável para preencher o intervalo.
Mas ele logo prosseguiu:

"Lembro-me muito bem das viagens que fiz com ele, quando ia visitar as empresas e as herdades e todos o tratavam por senhor engenheiro e para mim, apenas tinham um sorriso comedido e um acenar de cabeça. Acho que já pensavam que, um dia mais tarde, eu também me tornaria engenheiro ou qualquer outra coisa e ficaria assim, sério, reservado e áspero como ele, à frente de tudo aquilo."
Um segundo apenas. Para respirar a frustração acumulada.
"Nunca me ouviu sobre nada. Determinava na sua cabeça e deixava escrito um recado, na secretária do escritório que montara em casa e onde além dele só entrava minha mãe e a Amélia, aquela criada já velha que tu ainda conheceste."
Assenti. Conheci muito bem a Amélia. Aparecia sempre, à hora certa do recreio, na escola, para levar o lanche num cestinho de verga. Pão com compota e manteiga, bolachas e um termo com leite e chocolate quente. 
Teve um sorriso. Eu tinha estado a pensar em voz alta.

"Fomos ficando, cada vez mais longe um do outro. Depois veio a terrível doença. Crises em cima de crises. Ficou pele e osso com os tratamentos de químio e radio. Numa das vezes em que foi à urgência do hospital ficou internado",
Uma pausa para limpar as lentes embaciadas pela emoção.
"Uma tarde, antes da visita, o médico pediu-me para ir ao gabinete e disse-me que provavelmente o meu pai já não passaria dessa noite. E eu, quando cheguei ao quarto, fui segurar-me à cama dele, como se isso evitasse que ele fosse embora para sempre. Pressentiu-me chegar. Virou para mim a face magra, os olhos secos e encovados ainda pareceram sorrir, antecipando um pedido trémulo: 
(Fala comigo...) 
com as lágrimas a escorrerem-me pela voz, sem saber o que dizer quis-me lembrar das viagens que fazíamos e comecei: 
Lembras-te daquela vez que fomos...
foi quando senti que a mão dele que viera trémula ao longo do lençol, agarrar-se à minha na guarda da cama, ficou ali sem fria e inerte. 
O meu pai acabara de morrer sem que eu pudesse dizer que me tenha ouvido, uma única vez na vida...


30 de abril de 2017

FRAGMENTOS

I
Uma vontade de não querer ter pensamento.
Uma angústia de todas as células do corpo num sentimento súbito de clausura 
numa cela tão inacessível que fugir se torna utopia pois a cela é tudo.

II
A memória, afinal, é uma ilusão.
Porque nunca podemos fazer com que ela nos repita o que nunca fizemos. E, no entanto, as saudades mais cruéis são as que povoam a memória com as coisas que não fizemos ou não vivemos.

III
Não existe um caminho de vida só nosso.
O caminho que escolhemos é constantemente percorrido por outros que escolheram o mesmo caminho.
Ou será que fomos nós que escolhemos o deles?

IV
A vida vai-se em prateleiras numa despensa de factos e de sensações que vamos pondo de baixo para cima e da porta para a parede do fundo.
É por isso que à medida que, quando a despensa vai ficando cheia, chegamos mais facilmente ao mais antigo do que ao que aconteceu ontem.

V
A vida é um baile de máscaras onde para sobreviver é, muitas vezes, necessário por a máscara apropriada.
Porque se formos mascarados de nós mesmos correremos o risco de não acertar com a música.
VI
Não se pode deixar pensar o coração

VII
Na realidade não fazemos anos. Vamos desfazendo-os. Cada dia a mais nas nossas vidas é um dia a menos que vivemos. Não sabendo o tempo que temos de vida, vamos continuando a somar os dias e não a subtraí-los, apesar de estarmos sempre a gastá-los.

VIII
A ideia que temos do passado é de um tempo que não está ao nosso alcance modificar. No entanto, como sempre o podemos revisitar nas nossas memórias, é relendo-o naquilo que não devia ter sido, estamos a modificá-lo, no presente, para não voltarmos a repetir os mesmos erros

IX
O que é preciso é nunca nos rendermos. Quando arranjarmos motivos para não agir, quando não falamos com medo do que dissermos, quando preferirmos estar mais quietos que desassossegados, então estamos lixados!

X
Viver é sonhar acordado porque se a vida não tiver sonho já morremos em vida. Morremos! Não adormecemos. Porque até a dormir, sonhamos...




27 de abril de 2017

DE VEZ EM QUANDO

.
De vez em quando deixe-se encantar!
Deixe-se ir, no silêncio de uma bolha de sabão 
levada na brisa suave, de um fim de tarde
equilíbrio espacial, lento, talvez inseguro,
mas sempre com um arco-íris interior.
De vez em quando deixe-se levar!
Não é proibido, sabe? Só deixar ir o coração,
nesse voo de sentimentos e de liberdade
como se à nossa volta tudo fosse puro,
e não houvesse guerra nem dor.
De vez em quando permita-se sonhar!
Um luxo ao alcance de todos, uma inspiração
que devemos manter seja qual for a idade
porque é na sombra do sonho, imaturo,
que está o alimento do prazer e do amor.












De vez em quando permita-se viver!

17 de fevereiro de 2017

ÀS VEZES HÁ LUZES NO CAIS


Da janela do meu mundo, ai de mim, que desespero
sem companhia de estrelas, de lua prateada
sem formas de marfim, sem aquele brilho infinito
fico sem sonho para ver, sem luz para sonhar.
Tacteio com os olhos doridos, num esforço de cego,
um esboço de brilho, uma forma de sonho, iluminado..
À procura de um porto seguro, sonho mais, mais e mais.
E, às vezes, há luzes no cais!

UM SOL SEMPRE À JANELA

NÃO IMPORTA QUAL SEJA A ESTAÇÃO
não importa como acorda o coração
um novo dia é sempre dia de agradecer
Por isso:
se decreta que a partir de hoje,
só vale a vida, em todos os acordares,
mesmo nos mais cansados,
mesmo nos mais penosos,
só vale o sorriso, em todos os olhares,
mesmo nos mais fatigados
mesmo nos mais idosos
só vale a leveza, em todos os andares,
mesmo nos mais pesados,
mesmo nos mais vistosos. .
só vale a ternura, em todos os corações
só vale a paz, em todas as orações.
 só haverá girassóis em todas as janelas,
que devem ficar abertas, de par em par,
para que o homem jamais esqueça
que o Sol é vida e o que importa é amar!

15 de fevereiro de 2017

NOITE DE NAMORADOS

NÃO SEI ONDE ESTAMOS o que pouco importa
porque a noite está a chegar com promessas de amor. 
Há nuvens de luz a nascer por detrás do infinito,
um brilho de estrela que mergulha no horizonte
claridade de sombras que deslizam pelo monte
e uma estrada líquida que reflecte o céu.
A ilha abriga-nos sentimentos; solta-nos intensidades
no crepitar das chamas as promessas de amor eterno.
Olhamos o silêncio das cores, à nossa volta.
Para o meu coração, basta o teu peito.
Para a tua liberdade, as minhas asas.


14 de fevereiro de 2017

DESERTO SEM SEDE


Marcado na face por sulcos de água de sal
não pode ser deserto, antes praia ou pantanal
este imenso areal coberto por um céu quase divinal
até onde o olhar se esforça, impreciso,
até onde tecto e chão se tocam, num traço indeciso.